Cerâmica Industrial
https://ceramicaindustrial.org.br/article/doi/10.4322/cerind.2019.021
Cerâmica Industrial
Artigo Original

Uso de resíduos sólidos de estação de tratamento de água como carga em blocos cerâmicos

E.L.G. da Silva, A.P. Maciel

Downloads: 0
Views: 204

Resumo

Lamas geradas em decantadores de Estação de Tratamento de Água (ETA) têm sido incorporadas em argilas, principalmente para fabricação de cerâmica vermelha. Neste trabalho foi utilizado lodo da ETA do Sacavém, São Luís-MA e argila vermelha de Imperatriz-MA. A metodologia consistiu de ensaios de caracterização do lodo seco e da argila seca por Difração de Raios X, Fluorescência de Raios X, Microscopia Eletrônica de Varredura, Análise Térmica Diferencial e Termogravimétrica. Foram incorporados 5, 10, 15, 20 e 25% da massa do lodo na massa argilosa. Foram confeccionados 48 corpos de prova por prensagem uniaxial a 40 MPa e tratados a 950°C por 3 horas. Foram determinadas as propriedades físicas e mecânicas dos corpos por meio dos seguintes ensaios: Retração Linear de Queima, Absorção de Água, Tensão de Ruptura à Flexão, Porosidade Aparente, Perda ao Fogo e Massa Específica Aparente. Foi observado pela análise química de Fluorescência de Raios X que os componentes predominantes em forma de óxidos SiO2 , Al2 O3 e Fe2 O3 correspondem a aproximadamente 91% da composição do lodo e 89,2% da composição da argila, o que pode ter propiciado resultados positivos no processamento das misturas do lodo e argila e nas propriedades físico–mecânicas dos corpos de prova. Os resultados demonstraram que os valores de absorção de água variaram de acordo com os teores do lodo de ETA aplicados na argila e que todos os corpos de prova apresentaram valores de absorção de água inferiores a 25%, máximo permitido para produção de blocos cerâmicos. Verificou-se que os corpos de prova com a adição de até 15% de lodo na argila podem ser usados para fabricação de tijolos maciços.

Palavras-chave

resíduos sólidos, cerâmica vermelha, reciclagem.

Referências

[1] FERREIRA FILHO, S.S., Tratamento de água: Concepção, projeto e operação de estações de tratamento,1 ed., Rio de Janeiro, Elsevier Editora Ltda., 2017.

[2] ACHON, C. L., BARROSO, M. M., CORDEIRO, J. S., “Resíduos de estações de tratamento de água e a ISO 24512: desafio do saneamento brasileiro”, Engenharia Sanitária e Ambiental, v.18, n.2, pp. 115-122, abr./jun. 2013.

[3] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10004: Resíduos sólidos - Classificação, Rio de Janeiro, 2004.

[4] BRASIL. Lei nº 9433, de 08 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 09 jan. 1997.

[5] BRASIL. Lei nº 12305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 03 ago. 2010.

[6] CORAL, L. A., BERGAMASCO R., BASSETTI F. J., Estudo da viabilidade de utilização do polímero natural (TANFLOC) em substituição ao sulfato de alumínio no tratamento de águas para consumo, In: 2nd International Workshop Advances in Cleaner Production, 20-22 mai., 2009, São Paulo.

[7] SKORONSKI, E., et al., “Estudo da aplicação de tanino no tratamento de água para abastecimento captada no rio Tubarão, na cidade de Tubarão, SC”, Taubaté, Revista Ambiente & Água, v. 9, n. 4, pp. 679-687, 2014.

[8] INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico 2008. Rio de Janeiro. Brasil, 2010.

[9] BRASIL. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 fev. 1998.

[10]United Nations Conference on Environment & Development, DIVISION FOR SUSTAINABLE DEVELOPMENT GOALS, https://sustainabledevelopment.un.org/content/documents/Agenda21.pdf. Acessado em fevereiro de 2019.

[11]VITORINO, J.P.D., MONTEIRO, S.N., VIEIRA, C.M.F., “Caracterização e incorporação de resíduos provenientes de estação de tratamento de água em cerâmica argilosa”, Cerâmica, v. 55, n.336, pp. 385-392, dez. 2009.

[12]VIEIRA, C.M.F., MARGEM, J.I., MONTEIRO, S.N., “Alterações microestruturais de cerâmica argilosa incorporada com lodo de ETA”, Revista Matéria, v. 13, n. 2, pp. 275-281, Jun. 2008.

[13]SOUZA, A. E., Argilominerais: Influência dos Aditivos (Cinza de Bagaço de Cana -de-açúcar e Rocha Sedimentar) no Processo de Sinterização, Dissertação de Mestrado em Ciência e Tecnologia de Materiais, POSMAT/UNESP, Bauru, SP, Brasil, 2008.

[14]SANTOS, C. P., OLIVEIRA, H. A., OLIVEIRA, R. M. P. B., MACEDO, Z. S., “Caracterização de argilas calcárias utilizadas na produção de revestimentos cerâmicos no Estado de Sergipe - Brasil”, Cerâmica, v. 62, n. 362, pp.147-156, jun., 2016.

[15]MONTEIRO, S.N., ALEXANDRE, J.J., MARGEM, J.I., SANCHES, R., VIEIRA, C.M.F., “Incorporation of sludge waste from water treatment plant into red ceramic”, Construction and Building Materials, v. 22, Materials, n. 6, pp. 1281-1287, Jun. 2008.

[16]SANTOS, P.S., Ciência e Tecnologia de Argilas, 2 ed., v. 1, São Paulo, Editora Edgard Blücher Ltda, 1989.

[17]ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7170: Tijolo maciço cerâmico para alvenaria. Especificação. Rio de Janeiro, 1983. 4p.

[18]TARTARI, R., Incorporação de lodo gerado na estação de tratamento de água tamanduá, como aditivo em massas para cerâmica vermelha, Dissertação de Mestrado em Engenharia Química, Centro de Engenharias e Ciências Exatas, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Toledo, PR, Brasil, 2008.

[19]ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15270-1: Componentes cerâmicos - Parte 1: Blocos cerâmicos para alvenaria de vedação - Terminologia e requisitos. Rio de Janeiro, 2005, 15 p.

5e1ca4a20e882516242213e1 ci Articles
Links & Downloads

Cerâm. ind.

Share this page
Page Sections