Cerâmica Industrial
https://ceramicaindustrial.org.br/article/doi/10.4322/cerind.2019.016
Cerâmica Industrial
Artigo Original

Análise da nova metodologia da ISO 10545 para determinação da carga de ruptura e resistência a flexão de revestimentos cerâmicos

Aline Demarch, Angela Waterkemper, Djeisa Pasini, Fernando Zanelatto, Sergio Ruzza

Downloads: 1
Views: 30

Resumo

A revisão da ISO 10545-4 sofreu alterações no procedimento de ensaio, para determinação da carga de ruptura e resistência a flexão de revestimentos cerâmicos. Na versão anterior o teste era realizado com amostras inteiras e na atual revisão, as amostras podem ou devem ser cortadas, dependendo do seu tamanho. Não se sabe porém se os resultados históricos se manterão após essa alteração. O trabalho consistiu em avaliar se as alterações impactam de forma significativa nos resultados de carga de ruptura e resistência a flexão dos produtos. Foi realizada uma análise comparativa do desempenho do produto no teste de carga de ruptura e resistência a flexão, com amostras inteiras e cortadas, de acordo com a nova especificação da ISO 10545-4. A análise comparativa entre resultados, foi realizada por meio do teste “t” de Student, com peças de diferentes formatos e de diferentes tipologias: monoporosa, monoqueima e porcelanato esmaltado. As análises mostraram que, há diferenças entre os resultados obtidos com procedimento antigo e com o procedimento novo, tanto para a carga de ruptura quanto para a resistência a flexão. Portanto, fica confirmado, com 95% de confiança, que existem diferenças entre os resultados obtidos com amostras inteiras e amostras cortadas

Palavras-chave

Carga de Ruptura, Resistência a Flexão

Referências

[1] QUINN, George D. et al. Flexural Strength of Ceramic and Glass Rods. Journal Of Testing And Evaluation, West Conshohocken, v. 37, p.1-23, abr. 2009.

[2] International Organization for Standardization. ISO 10545 Part 4 - Determination of modulus of rupture and breaking strength. 2019, Suíça. 8 p.

[3] Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 13818 Anexo C - Determinação da Carga de Ruptura e Módulo de Resistência a Flexão - Especificações e Métodos de Ensaios. Rio de Janeiro, 1997. 14 p.

[4] International Organization for Standardization. ISO 10545 Part 4 - Determination of modulus of rupture and breaking strength. 2014, Suíça. 5 p.

[5] Ćurković, Lidija & Bakić, A & Kodvanj, Janos & Haramina, Tatjana. (2010). Flexural strength of alumina ceramics: Weibull analysis. Transactions of FAMENA. 34. 13-19.

[6] Evans AG. Structural reliability: a processing-dependent phenomenon. J Am Ceram Soc 1982;65:127–37.

[7] Davidge RW. Mechanical behaviour of ceramics. Cambridge: Cambridge University Press; 1979.

[8] Danzer R. Mechanical performance and lifetime prediction. In: Brook RJ, editor. Concise encyclopedia of advanced ceramic materials. Pergamon Press; 1991. p. 286–99.

[9] DANZER, R. et al. Fracture statistics of ceramics – Weibull statistics and deviations from Weibull statistics. Engineering Fracture Mechanics, [s.l.], v. 74, n. 18, p.2919-2932, dez. 2007. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.engfracmech.2006.05.028.

[10]MARGARIDO, A. P. ou MENEGAZZO, A.P.M.; PASCHOAL, José Octavio Armani ; ANDRADE, Ariane Mainetti de ; CARVALHO, Júlio Cesar ; GOUVÊA, Douglas . Avaliação da resistência mecânica e módulo de weibull de produtos tipo grês porcelanato e granito. Cerâmica Industrial, São Carlos/SP, v. 7, p. 24-32, 2002.

[11]Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 15463 Placas Cerâmicas para Revestimento – Porcelanato. Rio de Janeiro, 2013. 7 p.

[12]International Organization for Standardization. ISO 13006 Ceramic tiles – Definitions, classification, characteristics and marking. 2018, Suíça. 53 p.

5d8e42c30e88258035140c97 ci Articles
Links & Downloads

Cerâm. ind.

Share this page
Page Sections