Cerâmica Industrial
https://ceramicaindustrial.org.br/article/doi/10.4322/cerind.2018.002
Cerâmica Industrial
Artigo

Análise do Atendimento aos Requisitos Ambientais: Um Múltiplo Estudo de Caso nas Indústrias de Cerâmica Vermelha do Estado de Pernambuco

Karla Roberta Leão Guimarães, Romildo Morant de Holanda, Bernardo Barbosa da Silva, Lincoln Eloi de Araújo, Emmanuelle Maria Gonçalves Lorena

Downloads: 1
Views: 405

Resumo

A indústria da cerâmica vermelha representa grande importância nas obras de construção, por fornecer materiais como telhas, blocos e tijolos, muito utilizados por questões culturais, além de ser um material de baixo custo e com grande valor agregado como as propriedades acústicas, isolamento térmico, entre outros. No entanto o não atendimento às legislações ambientais causa penalidades legais, e aumento de custos financeiros da indústria, como o desperdício de materiais, comprometendo a competitividade e a imagem da organização no mercado. O objetivo geral do presente trabalho foi analisar as práticas na Indústria da cerâmica vermelha de Pernambuco relativos aos requisitos legais e de gestão ambiental a partir do levantamento dos impactos ambientais e elaboração de um checklist ambiental. A metodologia consistiu no levantamento dos aspectos e impactos ambientais na Indústria da Cerâmica Vermelha na fabricação do bloco cerâmico, pesquisa e levantamento dos requisitos e legislações mínimas e de gestão ambiental, elaboração de questionários relacionando os requisitos e atendimento às legislações mínimas ambientais e aplicação presencial nas 11 indústrias de cerâmica vermelha qualificadas no Programa Setorial da Qualidade (PSQ) do Estado de Pernambuco, e ainda levantamento das boas práticas ambientais. Durante a pesquisa foi possível avaliar o atendimento dos requisitos ambientais de documentação legal, controle de substâncias perigosas, utilização da água, águas residuais, resíduos sólidos, destinação dos resíduos, emissões atmosféricas e ruídos, consumo de energia térmica, treinamento em meio ambiente e sistema de gerenciamento ambiental. Essa análise apresentou pontos críticos quanto ao atendimento dos requisitos de consumo de Energia, Utilização de Água, Ruído, Treinamento Ambiental e Sistema de Gestão Ambiental. Porém, foi observado como boas práticas ambientais o atendimento de 100% das indústrias aos requisitos de documentação legal, o controle de substâncias perigosas e o sistema de contenção do efluente contaminado.

Palavras-chave

PSQ, boas práticas ambientais, impactos ambientais, bloco cerâmico.

Referências

ABCERAM. Associação Brasileira de Cerâmica. Informações técnicas – definição e classificação. ABCERAM. São Paulo, 2017. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2017.

ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO14.040 - Gestão ambiental - Avaliação do ciclo de vida - Princípios e estrutura. ABNT, Rio de Janeiro, 2014.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10.151 - Acústica - Avaliação do ruído em áreas habitadas, visando o conforto da comunidade - Procedimento. ABNT, Rio de Janeiro, 2013.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 15.2701 - Componentes Cerâmicos. Parte 1: Blocos Cerâmicos para alvenaria de vedação – Terminologia e Requisitos. ABNT, Rio de Janeiro, 2005a.

ABNT. Associação Brasileira De Normas Técnicas. NBR 15.2702 - Componentes Cerâmicos. Parte 2: Blocos Cerâmicos para alvenaria estrutural – Terminologia e Requisitos. ABNT, Rio de Janeiro, 2005b.

ABNT. Associação Brasileira De Normas Técnicas. NBR 15.2703 - Componentes Cerâmicos. Parte 3: Blocos Cerâmicos para alvenaria estrutural e de vedação – Métodos de ensaios. ABNT, Rio de Janeiro, 2005c.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO 14.001 - Sistemas de Gestão Ambiental. ABNT, Rio de Janeiro, 2015.

ALMEIDA, F. J. R. Ética e desempenho social das organizações: um modelo teórico de análise dos fatores culturais e contextuais. Revista de administração contemporânea, Curitiba, v. 11, n. 3, 2007.

ANDRADE, L. A. S. Uma proposta metodológica para a inspeção da qualidade em blocos cerâmicos para alvenaria em canteiros de obra. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Florianópolis, Santa Catarina. 2002. p. 84.

ANFACER. Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Revestimento, Louças Sanitárias e Congêneres. Panorama Geral. ANFACER. São Paulo, 2017. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2017.

ANICER: Associação Nacional da Indústria Cerâmica. Cartilha Ambiental: Cerâmica Vermelha. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: < https://pt.scribd.com/document/261995987/Cartilha-Ambiental-Ceramica-Vermelha>. Acesso em: 29 jun. 2017.

ANICER: Associação Nacional da Indústria Cerâmica. Relatório anual 2015. Disponível em: < http://anicer.com.br/wp-content/uploads/2016/11/relatorio_2015.pdf>. Acesso em: 29 jun. 2017.

APAC. Agência Pernambucana de Água e Clima. Outorga. Disponível em: . Acesso em: 29 de jun. 2017.

BRASIL, MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Balanço Energético Nacional-BEN: Relatório Síntese, Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: Acesso em: 05 ago. 2017.

BRASIL. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. 2010. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 2 de agosto de 2010. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em 20 de julho de 2017.

BRASIL. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Planalto. Diário Oficial Disponível em: . Acesso em 30 jun. 2017.

BRASIL. MINISTÉRIO DAS CIDADES. Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Habitat (PBQP-H). Disponível em:< http://pbqp-h.cidades.gov.br/estrutura.php.>. Acesso em: 29 jun. 2017

BRASIL. MINISTÉRIO DAS CIDADES. Programa Setorial da Qualidade-PSQ. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2017.

BRASIL. Ministério de Estado do Interior. Portaria n° 100, DE 14 DE JULHO DE 1980. Dispõe sobre a emissão de fumaça por veículos movidos a óleo diesel. Disponível em:< http://www.ctpconsultoria.com.br/pdf/Portaria-MINTER-100de-14-07-1980.pdf>. Acesso em: 9 de fev. 2017

BRASIL. República Federativa do Brasil. Lei nº 9.605, de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 17 de fev. 1998. Disponível em: . Acesso em: 9 fev. 2017.

CASAGRANDE, M. C; SARTORA, M. N.; GOMES, V.; DELLA, V. P.; HOTZA, D.; OLIVEIRA, A. P. N. Reaproveitamento de Resíduos Sólidos Industriais: Processamento e Aplicações no Setor Cerâmico. Cerâmica Industrial, v. 13, n. 1/2, p. 34-42, 2008.

CAVALCANTI, R. Q; SILVA, A. K. P. M. Identificação de impactos ambientais na indústria de cerâmica vermelha, um estudo de caso. In: HOLANDA, R. M.; PAZ, Y. M.;

MORAIS, M. M. (Org.). Cerâmica vermelha para construção civil: pesquisas e inovações. Recife: Editora Universitária da UFRPE, 2014. 311p.

CONAMA, Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n° 382, de 26 de dezembro de 2006. Estabelece os limites máximos de emissão de poluentes atmosféricos para fontes fixas. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2 jan. 2007. Disponível em: . Acesso em: 09 fev. 2017.

CONAMA, Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n° 436, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011. Estabelece os limites máximos de emissão de poluentes atmosféricos para fontes fixas instaladas ou com pedido de licença de instalação anteriores a 02 de janeiro de 2007. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 26 dez. 2011. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=660>. Acesso em: 09 fev. 2017.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n° 275, de 25 de abril de 2001. Estabelece código de cores para diferentes tipos de resíduos na coleta seletiva. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 19 de junho de 200. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=273 Acesso em: 09 fev. 2017.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n° 05, 15 de junho de 1989. Instituir o Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar - PRONAR. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 30 ago.1989. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res89/res0589.html>. Acesso em: 09 de fev. 2017.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n° 1, de 8 de março de 1990. Dispõe sobre critérios de padrões de emissão de ruídos decorrentes de quaisquer atividades industriais, comerciais, sociais ou recreativas, inclusive as de propaganda política. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 2 de abril de 1990. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=98>. Acesso em: 09 fev. 2017

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n° 362, de 23 de junho de 2005. Dispõe sobre o recolhimento, coleta e destinação final de óleo lubrificante usado ou contaminado. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 27 jun. 2005b. Disponível em: . Acesso em: 09 de fev. 2017.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n° 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução no 357, de 17 de março de 2005. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 16 mai. de 2011a. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=646>. Acesso em: 09 de fev. 2017.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n° 9, de 31 de agosto de 1993. no uso das atribuições previstas na Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, alterada pelas Leis nº 7.804, de 18 de julho de 1989, e nº 8.028, de 12 de abril de 1990, e regulamentada pelo Decreto nº 99.274, de 06 de junho de 1990, e no Regimento Interno aprovado pela Resolução/conama/nº 025, de 03 de dezembro de 1986. Diário Oficial [da] União República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1 out. 1993. Disponível em: .Acesso em: 9 de fev. 2017.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n°. 307, de 5 de julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 17 fev. 2002. Disponível em: Acesso em: 09 fev. 2017.

CONAMA. Conselho nacional do Meio Ambiente. Resolução no. 001, de 23 de janeiro de 1986. Estabelecerem as definições, as responsabilidades, os critérios básicos e as diretrizes gerais para uso e implementação da Avaliação de Impacto Ambiental como um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 17 fev. 1986. Disponível em: Acesso em: 9 fev. 2017.

CONAMA. Conselho nacional do Meio Ambiente. Resolução no. 432, de 13 de julho 2011b. Estabelece novas fases de controle de emissões de gases poluentes por ciclomotores, motociclos e veículos similares novos, e dá outras providências. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 14 de jul. 2011. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=653>. Acesso em: 9 fev. 2017 COSTA. M.A.A. Impactos Socioambientais e Medidas Atenuantes de uma Empresa de Cerâmica Vermelha, Itajá, RN: Estudo Preliminar. Monografia (Bacharel em Ciência e Tecnologia). Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Angicos, RN. 2013. 57p.

CUNHA. L. C. C.; SIQUEIRA. R. A. C. Gestão de qualidade de resíduos sólidos em uma cerâmica em Timon-MA. In: Anais IV CONGRESSO BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL. Salvador, Bahia, 2013. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2017.

ECYCLE. Poluição sonora: como ela afeta o nosso dia a dia e o meio ambiente? Disponível em: . Acesso em: 24 de jul. 2017.

FEAM; FIEMG. Guia técnico ambiental da indústria de cerâmica vermelha. Belo Horizonte, 2013. Disponível em: . Acesso em: 29 de jun. 2017.

HOLANDA, R. M. de; PAZ, Y. M.; MORAIS, M. M. Cerâmica Vermelha par construção civil: Pesquisas e Inovações. Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2014. 311p.

HOLANDA, R. M.; PAZ, Y. M.; MORAIS, M. M. Aproveitamento de águas pluviais para o uso na indústria de cerâmica vermelha. In: HOLANDA, R. M.; PAZ, Y. M.; MORAIS, M. M. (Org.). Cerâmica vermelha para construção civil: pesquisas e inovações. Recife: Editora Universitária da UFRPE, 2014. 311p.

HOLANDA, R. M; MORAIS, M. M. Materiais de construção civilMódulo 2: Indústria de Cerâmica Vermelha. Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2015. 158p.

HOLANDA. R.M. Avaliação do desperdício da argila nas indústrias da cerâmica vermelha e construção civil: estudo de caso nos municípios de Paudalho e Recife no Estado de Pernambuco. Tese (Doutorado em Recursos Naturais). Universidade Federal de Campinas, Centro de Tecnologia e Recursos Naturais, Campina Grande, Paraíba, 2011. 120p.

JANNUZZI, G. M. Energia e Meio Ambiente com ciência. Revista eletrônica Energia, crise e planejamento (online), 2001. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2017.

MAGALHÃES, C. F. B. Análise Do Processo Produtivo Dos Tijolos Cerâmicos Na Fábrica Nova São José de Itacoatiara/AM: Um Estudo De Caso. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Processos). Universidade Federal do Pará, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Processos, Belém, Pará. 2016. p. 69.

MEDEIROS, E. N. M.. Sistema de Gestão da qualidade na Indústria de Cerâmica Vermelha. Estudo de caso de uma indústria que abastece o mercado de Brasília. 2006. 190p. Dissertação (Mestrado em Estruturas e Construção Civil). Universidade de Brasília. Departamento de Engenharia Civil e Ambiental. Distrito Federal, Brasília, 2006.

MENEZES, R. R.; NEVES, G. de A.; FERREIRA, H. C. O. Estado da arte sobre o uso de resíduos como matérias-primas cerâmicas alternativas. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 6, n. 2, p. 303-313, 2002.

MINTER. Ministério do Interior. Portaria no. 53, de 1 de março de 1979. O Ministério de Estado do Interior, acolhendo proposta do Secretário do Meio Ambiente, no uso de suas atribuições que lhe confere o artigo 40, do Decreto n. 73.030, de 30 de outubro de 1973. Diário Oficial [da] União República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 05 ago. 1993. Disponível em:. Acesso em: 9 de fev. 2017.

MONTEIRO, C. M. O. L.; FRANCO, M.N.; PINATTI, A. A.; BARBOSA, F. C.; SOUZA, R. B.; CARVALHO, F. C. Noções básicas de processo produtivo de cerâmica vermelha. Senai-PI, Centro de Tecnologia da Cerâmica “Wildson Gonçalves”. Piauí, 2007.88p.

PRIORI JUNIOR, L.; MENEZES, J. R. R. Construção sustentável: potencialidades e desafios para o desenvolvimento sustentável na construção civil. Sindicado da Indústria da Construção Civil no Estado de Pernambuco, Recife, 2008. 32p.

SINDICER/PE. Sindicado das Indústrias de Cerâmica Vermelha de Pernambuco. Disponível em: . Acesso em: 21 mai. 2016.

5bcf32200e8825b5151f4c0a ci Articles
Links & Downloads

Cerâm. ind.

Share this page
Page Sections