Cerâmica Industrial
https://ceramicaindustrial.org.br/article/doi/10.4322/cerind.2017.029
Cerâmica Industrial
Artigo

Comportamento Físico e Mecânico de Blocos Prensados e Queimados de Cerâmica Vermelha

N.A. Cerqueira, J. Alexandre, G.C. Xavier, V.B. Souza, A.R.G. Azevedo

Downloads: 1
Views: 515

Resumo

Nos últimos anos pôde-se verificar um retorno ao emprego de alvenaria estrutural como alternativa ao uso das estruturas em concreto armado por possibilitar uma série de vantagens. Neste cenário, os tijolos e blocos de encaixe contribuem de forma contundente para o processo de racionalização da construção. A operação de prensagem objetiva a obtenção de peças uniformes, com boa conformidade das dimensões e da geometria pré-estabelecida. Neste trabalho são apresentadas as características físicas e mecânicas de Blocos Prensados e Queimados (BPQ) produzidos em cerâmica de Campos dos Goytacazes, RJ. Buscou-se a determinação de propriedades físicas, mecânicas e elásticas de blocos e prismas. Os resultados indicam que os blocos podem ser empregados em construções de pequeno e médio porte, até três pavimentos, uma vez que a resistência mecânica característica dos blocos encontrada foi de 3,52 MPa e a taxa de absorção média de aproximadamente 20%. A eficiência prisma/bloco ficou no intervalo 0,5 a 0,6 e a relação módulo de deformação longitudinal e resistência característica de prismas ficou no intervalo 600 a 700. Quanto ao modo de ruptura, os BPQ apresentaram ruptura frágil, com tendência a falha no bloco.

Palavras-chave

alvenaria estrutural, BPQ, resistência mecânica, módulos elásticos, absorção de água.

Referências

1. RIPPMANN, M., BLOCK, P. Construction Materials, v. 166, 378-389, 2013.

2. PARSEKIAN, G. A. Comportamento e Dimensionamento de Alvenaria Estrutural, EDUFSCAR, São Paulo (2012).

3. SÁNCHEZ, E. Nova Normalização Brasileira para a Alvenaria Estrutural, Interciência, Rio de Janeiro (2013).

4. RAMAGE, M. et al. Journal of the African Technology Development Forum 07, 1-2 (2010) 14 - 23.

5. RAMAGE, M., OCHSENDORF, J., RICH, P. Journal of the IASS, v. 51, n. 4, 255-261, 2010.

6. AHMED, A. G., MOHAMED, A. E., JOHN, J. M. Journal of Cleaner Production, v. 165, 980-993, 2017.

7. ALMEIDA, C. et al. Construction & Building Materials, v. 30, 188-197, 2012.

8. AUGENTI, N., PARISI, F. Journal of Materials in Civil Engineering, v. 22, 1102-1111, 2010.

9. CAMINO, M. S. et al. Materiales de Construcción, v. 64, n. 314, 1-10, 2014.

10. CHEN, D., SHANG, S., ZHANG, C. Journal of Central South University of Technology, v. 16, n. 6, 1014-1021, 2009.

11. FRANZONI, E. et al. Construction & Building Materials, v. 82, 45-52, 2015.

12. ILLAMPAS, R., LOANNOU, I., CHARMPIS, D. C. Construction & Building Materials, v. 53, 83-90, 2014.

13. JIN, P. J. et al. Construction & Building Materials, v. 149, 139-148, 2017.

14. LIMA, S. A. et al. Construction & Building Materials, v. 35, 829-837, 2012.

15. MICCOLI, L., MÜLLER, U., FONTANA, P. Construction & Building Materials, v. 61, 327-339, 2014.

16. MIRANDA, L. A., CORRÊA, M. R. S. Cadernos de Engenharia de Estruturas, v. 14, n. 63, 33-48, 2012.

17. MUELLER, A., SCHNELL, A., RUEBNER, K. Construction & Building Materials, v. 98, 376-387, 2015.

18. PARSEKIAN, G. A. et al. Ambiente Construído, v. 16, n. 4, 197-213, 2016.

19. SANDOVAL, C. et al. Construction & Building Materials, v. 25, 4394-4402, 2011.

20. SAZEDJ, S., MORAIS, A. J., JALALI, S. Construction & Building Materials, v. 141, 36-43, 2017.

21. SUKSIRIPATTANAPONG, C. et al. Construction & Building Materials, v. 82, 20-30, 2015.

22. TENA-COLUNGA, A., JUÁREZ-ÁNGELES, A., SALINASVALLEJO, V. H. Engineering Structures, v. 31, 240-259, 2009.

23. THEODOSSOPOULOS, D., SINHA, B. Construction & Building Materials, v. 41, 990-1001, 2013.

24. VELASCO, P. M. et al. Applied Clay Science, v. 107, 156-164, 2015.

25. PEDROTI, L. G. et al. Cerâmica Industrial, v. 16, •••, 2011a.

26. PEDROTI, L. G. et al. NovaCer, v. 13, 64-74, 2011b.

27. ALEXANDRE, J., SILVA, C. L. A. P. Caracterização da argila para confecção de blocos prensados e queimados. Anais do 56º Congresso Brasileiro de Cerâmica, 1º Congresso Latino-Americano de Cerâmica, IX Brazilian Symposium on Glass and Related Materials, Curitiba, PR (2012).

28. PEDROTI, L. G. et al. Materials Science Forum, v. 727- 728, 619-624, 2012a.

29. L.G. PEDROTI, J. ALEXANDRE, G.C. XAVIER, S.N. MONTEIRO, C.M.F. VIEIRA, A.V. BAHIENSE, P.C.A. MAIA, Tempo Técnico 2 (2012b).

30. CARVALHO, C. M. et al. Reaproveitamento de Resíduos Cerâmicos: uma aplicação na fabricação de blocos prensados. Anais do 59º Congresso Brasileiro de Cerâmica – CBC, Barra dos Coqueiros, SE (2015)

31. CERQUEIRA, N. A. et al. Properties of Clay for Ceramics with Rock Waste for Production Structural Block by Pressing and Firing. In: Ikhmayies S.J. et al. (eds) Characterization of Minerals, Metals, and Materials (2016). Spring, Cham.

32. CERQUEIRA, N. A. et al. Comportamento físico e mecânico de blocos e prismas de tijolos prensandos e queimados de cerâmica vermelha. Anais do 61º Congresso Brasileiro de Cerâmica – CBC, Gramado, RS (2017).

33. ABNT NBR 15270-1, Componentes cerâmicos - parte 1: Blocos cerâmicos para alvenaria estrutural – Terminologia e requisitos, Rio de Janeiro (2005).

34. ABNT NBR 15270-2, Componentes cerâmicos - parte 2: Blocos Cerâmicos para Alvenaria Estrutural - Tipologia, Rio de Janeiro (2005).

35. ABNT NBR 15270-3, Componentes cerâmicos - parte 3 - Blocos cerâmicos para alvenaria estrutural e de vedação – Métodos de ensaio, Rio de Janeiro (2005).

36. ABNT NBR 15812-1, Alvenaria estrutural. Blocos cerâmicos - parte 1: Projetos, Rio de Janeiro (2010).

37. ABNT NBR 15812-2, Alvenaria estrutural. Blocos cerâmicos - parte 2: Execução e controle de obras, Rio de Janeiro (2010).

38. ABNT NBR 13276, Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e teto – Determinação do Índice de Consistência, Rio de Janeiro (2016).

39. ABNT NBR 13279, Argamassa para assentamento de paredes e revestimento de paredes e tetos - Determinação da resistência à tração na flexão e à compressão, Rio de Janeiro (2005).

40. ABNT NBR 9778, Argamassa e concreto endurecidos – Determinação da absorção de água, índice de vazios e massa específica, Rio de Janeiro (2009).

41. ROCHA, S. Estatísticas geral e aplicada para cursos de engenharia. 2. ed. Atlas, São Paulo (2015).

42. SANTOS, M. J. F. Dissertação de Mestrado, UFSM-RS (2008).

43. ABNT NBR 13281, Argamassa para assentamento de paredes e revestimento de paredes e tetos – Requisitos, Rio de Janeiro (2005).

44. ACI 530/TMS 402/ASCE 5, (1999).

45. AS 3700, Masonry Structures, Australia, 2011.

46. R. G. Drysdale, A.A., Hamid, L.R. Baker, Masonry structures: Behavior and design. Prentice Hall, New Jersey (1994).

47. BSI 5628 – Part 1, Structural use of unreinforced masonry, London (1992).

5bcf2b210e88254a0c1f4c08 ci Articles
Links & Downloads

Cerâm. ind.

Share this page
Page Sections