Cerâmica Industrial
https://ceramicaindustrial.org.br/article/doi/10.4322/cerind.2017.020
Cerâmica Industrial
Artigo

Análise da Substituição Proporcional de Frita Branca por Vidro Plano Reciclado em Engobes para Revestimento Cerâmico

Ana P. Cipriano, Daniel Magagnin, Eduarda B. Bittencourt, Maria E. N. Corrêa, Nathalia Policarpo, Vanessa da Silva

Downloads: 3
Views: 423

Resumo

Saber da atual problemática: disposição de resíduos inspira novas tecnologias de tratamento, quanto de incorporação a novos ciclos e processos. O presente artigo correlata o processamento cerâmico atual com a substituição de matérias-primas secundárias no engobe, destacado neste a reutilização de vidro plano. Visto todos os aspectos e a compatibilidade entre a matéria-prima principal e a secundária efetivou-se o experimento laboratorial. Parte deste experimento deu-se em preparar os engobes e aplicá-los sobre o biscoito, com posterior esmaltação. Embora os resultados apresentaram, ausência de brilho no engobe e aumento no esmalte, tonalidades, defeitos como pin holes e gretagem, concluiu-se que a adição de vidro reciclado torna-se viável com estudos e aperfeiçoamento.

Palavras-chave

processamento cerâmico, engobe, vidro plano.

Referências

ANA VIDRO. Quanto tempo o vidro leva para se decompor? São Paulo. 2012. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2017.

CALDAS, T. C. Reciclagem de resíduos de vidro plano em cerâmica vermelha. Universidade Estadual do norte fluminense Darcy Ribeiro. Campo dos Goytacazes, 2012.

DAL BÓ, M.; SILVA, L.; OLIVEIRA, V. Fabricação de Vetrosas com a Utilização de Resíduos de Vidro Plano e Vidro de Bulbo de Lâmpadas. Revista Cerâmica Industrial, Florianópolis, 2009.

EPPLER, R. Análise de Defeitos Comuns em Vidrados Cerâmicos. Revista Cerâmica Industrial, 2001.

INSTITUTO DE ARQUITETURA E URBANISMO. Defeito: gretagem e trincas. Universidade de São Paulo. Disponível em: Acesso em: 01 maio 2017.

JUNIOR. et al. Panorama e Perspectivas da Indústria de Revestimentos Cerâmicos no Brasil. Revista Cerâmica Industrial, 2010.

MELCHIADES, F. G.; ROMACHELLI, J. C.; BOSCHI, A. O. A Mancha d’água em Revestimentos Cerâmicos: Contribuição para o desenvolvimento de um método de medida. Revista Cerâmica Industrial. São Carlos, 2000.

___________. A Mancha D’Água de Revestimentos Cerâmicos: Defeito ou Característica? Revista Cerâmica Industrial. São Carlos, 2003.

MOTTA, J. F.; JUNIOR, M. C.; TANNO, L. C. Panorama das Matérias-Primas Utilizadas na Indústria de Revestimentos Cerâmicos: Desafios ao Setor Produtivo. Revista Cerâmica Industrial, São Paulo, 1998.

____________. et al. As matérias-primas cerâmicas. Parte II: Os minerais industriais e as massas da cerâmica tradicional. Revista Cerâmica Industrial, v. 7, n. 1, p. 33- 40, jan/fev, 2002.

PRACIDELLI, S. Estudo dos Esmaltes Cerâmicos e Engobes. Revista Cerâmica Industrial, São Caetano do Sul, jan/abr 2008.

RHOD, A. B. Manifestações patológicas em revestimentos cerâmicos: análise da frequência de ocorrência em áreas internas de edifícios em uso em Porto Alegre. Trabalho de Curso de Engenharia Civil. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2011.

SÁNCHES, E. Matérias-Primas para a Fabricação de Fritas e Esmaltes Cerâmicos. Revista Cerâmica Industrial, Castellón, maio/agosto 1997.

SCHROEDER, R. M. Materiais cerâmicos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2016

SILVA, J. R. R. Caracterização físico-química de massas cerâmicas e suas influências nas propriedades finais dos revestimentos cerâmicos. 31 jan 2015. 70 f. Tese (Doutorado em Engenharia e Ciência dos Materiais) - Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2015.

WAGNER, G. P. Desenvolvimento de um engobe cerâmico obtido através de resíduos de garrafas de vidro. Trabalho de Conclusão do Curso de Engenharia de Ambiental e Sanitária. Centro Universitário Barriga Verde. Orleans, 2014.

5bcf253a0e8825be021f4c09 ci Articles
Links & Downloads

Cerâm. ind.

Share this page
Page Sections