Cerâmica Industrial
https://ceramicaindustrial.org.br/article/doi/10.4322/cerind.2017.014
Cerâmica Industrial
Artigo Original

Utilização de Residuo de Construção Civil e Demolição (RCD) como Material não Plástico para a Produção de Tijolos Cerâmicos

Milena Gomes Talavera Gaspareto, Silvio Rainho Teixeira

Downloads: 10
Views: 1570

Resumo

Os Resíduos de Construção Civil e Demolição (RCD) representam, em média, 50% da massa dos resíduos sólidos urbanos no mundo. Considerando, no Brasil, um índice médio de geração per capita de RCD de 500 kg/habitante por ano, estima-se uma geração de 260 mil toneladas por dia. Foi proposto neste trabalho a incorporação de RCD na massa cerâmica para a produção de tijolos maciços, visando apresentar uma nova opção de destinação adequada para o RCD, com consequente economia da matéria prima argilosa. A metodologia experimental utilizada baseia-se no aproveitamento do RCD como material não plástico, com composição pré-estabelecida de 50/30/20: cerâmica, argamassa e concreto. O RCD foi triturado e misturado com a argila e água utilizando uma betoneira, para homogeneizar a mistura. Após a homogeneização, o material foi prensado utilizando uma matriz de aço e uma prensa hidráulica manual, para obtenção dos corpos de provas (CPs) cilíndricos (ϕ=30 mm), com aproximadamente 60 mm de altura. Os CPs foram preparados em triplicatas para obtenção de valores médios com desvios padrão. Após o tempo de secagem (24 horas) em estufa (110 °C), os CPs foram queimados, em temperaturas entre 900,1000 e 1100 °C, utilizando um forno elétrico. Após a queima, foram determinadas a perda de massa e a retração linear de queima. Em seguida foram realizados os ensaios tecnológicos de resistência à compressão (RM), absorção de água (AA), massa específica aparente (MEA) e porosidade aparente (PA). Observou-se que todos os corpos de prova obtiveram valores dentro dos limites estabelecidos pelas normas técnicas: (MEA < 1,7 g/cm3 (ASTM), AA < 22%, PA < 30%). Para resistência mecânica, todos os corpos de prova a 900 °C, e com composição com 40%-peso de RCD apresentaram resistência à compressão (RM) superior a 4 Mpa, ou seja, tijolo maciço Classe C, sendo considerados a melhor composição e temperatura de queima para as condições deste trabalho. Portanto, estes resultados mostraram que é possível a utilização do RCD na produção de material cerâmico, proporcionando mais uma opção de aproveitamento deste resíduo como matéria prima.

Palavras-chave

reciclagem, resíduos de construção civil e demolição, argila.

Referências

ÂNGULO, S.C.; JOHN, V.M.; CHAVES, A.P.; ALMEIDA, S.L.M.; LIMA, F.M.R.S.; GOMES, P.C. Aperfeicoamento da reciclagem da fração mineral dos resíduos de construção e demolição: Uso em concretos. In seminário: O uso da fração fina da britagem. São Paulo - SP, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. (NBR 8491; Tijolo Maciço de Solo-cimento – Especificação; NBR 8492; Tijolo Maciço de Solo-cimento – Determinação da Resistência à Compressão e da Absorção de Água; NBR 10004; Resíduos Sólidos – Classificação). Disponível em:<www.abnt.org.br>. Acesso em: Abril 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO – ABRECON. Disponível em:<www.abrecon.com.br>. Acesso em: Abril 2015

CABRAL JUNIOR, M. et. al. Panorama e Perspectivas da Indústria de Revestimentos Cerâmicos no Brasil. Rd. Cerâmica Industrial, São Paulo, v. 15, n. 3, P. 7-18, 2010.

CALDAS e SILVA, A. et al. Tecnologias Alternativas para Habitação. In: II congresso Internacional de Tecnologia e Gestão da Qualidade na Construção Civil, 2000, Recife. II Congresso Internacional de Tecnologia e Gestão da Qualidade na Construção Civil, Recife - PE, 2000.

CANDIDO, V. S.; PINHEIRO, R. M.; MONTEIRO, S. N.; VIEIRA, C. M. F. Desenvolvimento de adoquim cerâmico com argilas cauliníticas, chamote e argilito. Laboratório de Materiais Avançados - LAMAV, Universidade Estadual do Norte Fluminense – UENF. Campos dos Goytacaze – Rio de Janeiro, 2013.

CESP – Companhia Energética de São Paulo. EIA/RIMA – Estudo de Impacto Ambiental e Relatorio de Impacto Ambiental. vol. I e II, São Paulo, 1992/93.

COMITÊ DE MEIO AMBIENTE DO SINDUSCON-SP E PARCEIROS. Gestão Ambiental de Resíduos da Construção Civil: a experiência do SindusCon-SP. São Paulo – SP. 2005. Disponível em: <http://www. sindusconsp.com.br/downloads/prodserv/publicacoes/manual_residuos_solidos. pdf>. Acesso em: Abril 2015.

CONORSA. 2008. Disponível em: <http://www.conorsa.es>. Acesso em: fev. 2015

CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE – CONAMA; Resolução CONAMA 307 (CONAMA, 2002). Disponível em: <www.mma.gov.br/port/conama/index.cfm>. Acesso em: Abril 2015.

CONTRERAS, M. et al. Recycling of construction and demolition waste for producing new construction material (Brazil case-study). Elsevier journal of construction and building materials. V. 123, P. 594-600, 2016.

EMBRAPA. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solo - Manual de Métodos de Análise de Solo, Rio de Janeiro, 1979.

GALVÃO, A. C. P.; FARIAS, A. C. M; SOUZA, L.G.M. Viabilização de Rejeitos de Vidro para a Produção de Tijolos Cerâmicos. Revista Holos, v. 4, n. 29, P. 59-69, 2013.

GOMES, C. F. Argilas: O que são e para que servem. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal, 1988.

IAC, Instituto Agronômico de Campinas. Métodos de Análise de Solos para fins de Fertilidade, Boletim no 81, B. Van Ray & A. J. B. Quaggio, Campinas - SP, 1983.

JOHN, V. M. Reciclagem de resíduos na construção civil. Tese de Livre Docência, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo – USP. São Paulo – SP, 2000.

JUNIOR, M. C; et. al. Panorama e Perspectivas da Indústria de Revestimentos Cerâmicos no Brasil. Seção de Recursos Minerais e Tecnologia Cerâmica, Centro de Tecnologia de Obras de Infraestrutura, Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT, São Paulo, 2010.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE – SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO. Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos. Brasília – DF, Novembro de 2011. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/estruturas/srhu_urbano/_arquivos/guia_elaborao_plano_de_gesto_de_resduos_rev_29nov11_125. pdf>. Acesso em: Abril 2015.

MONIZ, A. C. Elementos de Pedologia, Rd. Pol’igono, São Paulo, 1972.

MOTTA, J. M. et al. As matérias-primas cerâmicas. Parte II: Os minerais industriais e as massas da cerâmica tradicional. Revista Cerâmica Industrial, São Paulo, v.7, n. 1, p 33-40, 2002.

PRACIDELLI, S.; MELCHIADES, F. G. Importância da composição granulométrica de massas para a cerâmica vermelha. Revista Cerâmica Industrial, São Paulo, v. 2, p.31-35, 1997.

ROMERO, M.; MÁRQUEZ, J.M.; RINCÓN, J. M. Kinetic of mullite formation from a porcelain stoneware body for tiles production. Journal of the European Ceramic Society, Madri, Spain, vol. 26, p.1647–1652, 2006.

SILVA FILHO, R. W. Dissertação de Mestrado, Depto. de Física, Univ. Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande - MS, 1999.

SILVA, J. E. O. Desenvolvimento de cerâmica vermelha utilizando rejeitos da construção civil. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal – RN, 2007.

SOUZA, A. E.; TEIXEIRA S. R.; SANTOS G. T. A.; LONGO E. Adição de rocha sedimentar às argilas cauliníticas: influência no processo de sinterização. Departamento de Física, Química e Biologia, Universidade Estadual Paulista – FCT/UNESP. Presidente Prudente - SP, 2013.

SOUZA, A. E.; TEIXEIRA, S. R.; SANTOS, G. T. A.; DIAS, F. C. Caracterização de argilas usadas pela indústria cerâmica vermelha de Martinópolis – SP e efeito da incorporação de resíduo sólido nas suas propriedades cerâmicas, Anais do 49º Congresso Brasileiro de Cerâmica, São Pedro – SP, 06 a 09 de julho de 2005, CD-ROM, Ref. 5-33.

SOUZA SANTOS, P. Ciência e Tecnologia de Argilas, Vol. 1 e 2, Ed. Edgard Blücher São Paulo, 1989.

STRADIOTO, M. R; KIANG, C.H; CAETANO-CHANG, M.R. Caracterização petrográfica e aspectos diagenéticos dos arenitos do Grupo Bauru na região do sudoeste do Estado de São Paulo. Revista Escola de Minas. Ouro Preto – MG, v. 61, n. 4, p. 433-441. Out./Dez. 2008.

TEIXEIRA, S. R.; DIXON, J B; WHITE, G. N. Kaolin mineralogy of a red Brazilianoxisol. Texas journal of microscopy, Estados Unidos, V. 27, N.01, P. 11-11, 1996.

TEIXEIRA, S. R. and S. A. de Souza, Ceramic Properties and mineralogical Characterization of Clays Used in the Ceramic Industry in West of São Paulo State-Brazil. The 12th International Clay Conference: “2001 a Clay Odyssey” and 3ed International Symposium on Activated Clays (ISAC), Bahia Blanca, Argentina, July 22-28, 2001.

TEIXEIRA, S. R., Caracterização de argilas usadas para produção de cerâmica vermelha e estudo das alterações nas suas propriedades pela adição de resíduos sólidos. Tese de Livre-Docencia apresentada no DFQB/FCT/UNESP, campus de Presidente Prudente, outubro de 2006.

594955b20e8825be721436b6 ci Articles
Links & Downloads

Cerâm. ind.

Share this page
Page Sections