Cerâmica Industrial
https://ceramicaindustrial.org.br/article/doi/10.4322/cerind.2017.004
Cerâmica Industrial
Artigo Original

Efeito de Aditivo Defloculante no Processamento de Massa para a Obtenção de Blocos Cerâmicos Estruturais

Débora Cristina Niero Fabris, Joselane Ramos da Silva, Ana Paula Rodrigues, Oscar Rubem Klegues Montedo, Agenor De Noni Jr.

Downloads: 9
Views: 971

Resumo

Os processos de fabricação de cerâmica vermelha são baseados principalmente na extrusão de uma massa plástica, normalmente composta por argilas e materiais não plásticos para melhorar o processamento. A utilização de aditivos é uma alternativa para facilitar o fluxo da massa durante o processo de extrusão, proporcionando a melhoria das propriedades mecânicas e/ou a redução do ciclo de secagem. Neste trabalho estudou-se o efeito de um aditivo para a secagem disponível comercialmente, composto de silicato de sódio e TPF, que são defloculantes, e carbonato de cálcio. O material foi caracterizado por fluorescência de raios X e difração de raios X. Foi empregada a dosagem de 3% de aditivo, conforme recomendação do fabricante, em massa utilizada para a fabricação de tijolos, sendo analisada a influência deste sobre a plasticidade da massa pelo método de Casagrande e sua influência sobre a secagem através da curva de secagem e curva de Bigot. Os corpos-deprova foram caracterizados antes da queima por meio da determinação da densidade aparente e da resistência à flexão, e após a queima por meio da determinação da densidade aparente, da resistência à flexão e da absorção de água. O estudo da plasticidade da massa pelo método de Casagrande mostrou alterações no limite líquido das amostras, havendo uma redução deste de 37,3 para 33,6%, enquanto a umidade de extrusão foi reduzida de 26,2 para 22,8%. Houve ainda um aumento na resistência mecânica a seco de 6,6 para 10,1 MPa. Os corpos de prova da massa com aditivo sinterizados a 890 °C apresentaram valores de resistência à flexão semelhantes aos valores dos corpos de prova da massa padrão sinterizados a 920 ºC, respectivamente 12,7 e 12,3 MPa.

Palavras-chave

cerâmica estrutural, secagem, aditivos.

Referências

[1] IBGE Seção C, Divisão 23, Grupo 234, Classe 2342-7, Fabricação de Produtos Cerâmicos Não-Refratários para Uso Estrutural na Construção, excluídas as palavras pisos e azulejos da razão social. Brasil, 2008

[2] FONSECA, António Tomás da. Tecnologia do processamento cerâmico. Lisboa: Universidade Aberta, 2000. 554 p.

[3] RIBEIRO, Manuel J.; FERREIRA, António A.L.; LABRINCHA, João A.. Aspectos Fundamentais Sobre a Extrusão de Massas de Cerâmicas Vermelhas. Cerâmica Industrial, 8 (1), (2003), 37-42.

[4] VIEIRA, Carlos M. Fontes, FEITOSA; Hygina Sales e MONTEIRO, Sergio Neves. Avaliação da Secagem de Cerâmica Vermelha Através da Curva de Bigot. Cerâmica industrial, 8 (1), (2003), 42-46.

[5] MACEDO, R. S; MENEZES, R. R; NEVES, G. A; FERREIRA, H. C. Influência de aditivos na produção de blocos cerâmicos. Cerâmica, 54, p. 373-381, 2008.

[6] Associação brasileira de Normas Técnicas. NBR 7180. Determinação do índice de plasticidade – Métodos de ensaio. Rio de Janeiro, 1985.

[7] Associação brasileira de Normas Técnicas. NBR 6459. Determinação do limite de liquidez de solos. Rio de Janeiro, 1984.

58daa75c0e8825c11220efe9 ci Articles
Links & Downloads

Cerâm. ind.

Share this page
Page Sections