Cerâmica Industrial
https://ceramicaindustrial.org.br/article/doi/10.4322/cerind.2017.003
Cerâmica Industrial
Artigo

Estudo da Utilização de Materia-prima Fundente Oriundo da Mineração de Boro em Processo de Cerâmica Vermelha

Letícia Zanatta Matiola Damazio, Michael Peterson, Camila Pacheco dos Santos, Alexandre Zaccaron, Fábio Rosso, Vitor de Souza Nandi, Camila Machado de Oliveira

Downloads: 1
Views: 481

Resumo

O presente estudo tem por objetivo analisar a viabilidade técnica da incorporação de matéria-prima fundente, oriundo da mineração de boro, na cerâmica vermelha. Desenvolveram-se formulações em diferentes percentuais (0,5; 1; 3; 5%) incorporando resíduo a massa cerâmica padrão (STD) de uma cerâmica da região sul de Santa Catarina, Brasil. Os corpos-de-prova foram submetidos a tratamento térmico em estufa e queima em forno a 900 °C. As propriedades tecnológicas avaliadas foram: retração térmica linear de secagem e de queima, perda ao fogo, absorção de água e resistência mecânica à compressão. Pode-se concluir, após a investigação das propriedades tecnológicas, que as variações foram mínimas, e a adição nos percentuais estudados não obtiveram resultados muito expressivos. Como relevância ao trabalho, vale destacar que a incorporação do material em questão em até 5% em massa, é possível sem que altere a qualidade das peças cerâmicas, diminuindo a necessidade de matéria-prima bruta (argila) para fabricação de cerâmica vermelha.

Palavras-chave

argila, cerâmica vermelha, matéria-prima fundente, boro.

Referências

[1] A. A. Shakir and A. A. Mohammed, “Manufacturing of Bricks in the Past, in the Present and in the Future: A state of the Art Review,” International Journal of Advances in Applied Sciences (IJAAS), vol. 2, no. 3, pp. 145-156, September 2013.

[2] L. Zhang, “Production of bricks from waste materials – A review,” Construction and Building Materials, vol. 47, p. 643–655, 2013.

[3] N. Phonphuak, S. Kanyakam and P. Chindaprasirt, “Utilization of waste glass to enhance physicalemechanical properties of fired clay brick,” Journal of Cleaner Production, vol. 112, p. 3057e3062, 2016.

[4] K. O. Godinho, J. N. F. Holanda and A. G. P. da Silva, “Obtenção e avaliação de propriedades tecnológicas de corpos cerâmicos à base de argila e vidros reciclados,” Cerâmica, vol. 51, no. 320, pp. 419-427, Outubro/Dezembro 2005.

[5] A. Zaccaron, A. M. Bernardin, F. Rosso, V. d. S. Nandi, P. Fernandes, R. Piccoli and G. A. Benedet, “Utilização de Vidro de Garrafas para Redução da Absorção de Água em Produtos de Cerâmica Vermelha,” Cerâmica Indrustrial, vol. 20, no. 5/6, pp. 35-39, Setembro/Dezembro 2016.

[6] C. M. F. Vieira, A. S. C. Morais, S. N. Monteiro and G. C. G. Delaqua, “Teste industrial de cerâmica vermelha incorporada com resíduo de vidro de lâmpada fluorescente,” Cerâmica, vol. 62, no. 364, pp. 376-385, 2016.

[7] S. M. S. Kazmi, S. Abbas, M. J. Munir and A. Khitab, “Exploratory Study on the Effect of Waste Rice Husk and Sugarcane Bagasse Ashes in Burnt Clay Bricks,” Journal of Building Engineering, vol. 7, pp. 372-378, 2016.

[8] E. N. M. de Medeiros, R. M. Sposto, G. d. A. Neves and R. R. Menezes, “Incorporação de cinza de lenha, lodo de estação de tratamento de água e cinza de casca de arroz em massa cerâmica. Utilização da técnica de planejamento,” Cerâmica, vol. 56, no. 340, pp. 399-404, Outubro/Dezembro 2010.

[9] C. Leiva, C. Arenas, B. Alonso-Fariñas, L. Vilches, B. Peceño, M. Rodriguez-Galán and F. Baena, “Characteristicsof firedbrickswithco-combustion fly ashes,” Journal of Building Engineering, vol. 5, pp. 114-118, 2016.

[10]K. C. P. Faria and J. N. F. Holanda, “Incorporation of sugarcane bagasse ash waste as an alternative raw material for red ceramic,” Cerâmica, vol. 59, no. 351, pp. 473-480, July/September 2013.

[11]N. C. Coutinho and C. M. F. Vieira, “Caracterização e incorporação de cinza de resíduo sólido urbano em cerâmica vermelha,” Cerâmica, vol. 62, no. 363, pp. 249-255, 2016.

[12]T. L. Zanin, W. Klitzke and L. F. L. Luz Jr., “Estudo da influência da adição de cinzas de carvão mineral nas propriedades da cerâmica vermelha,” Cerâmica, vol. 59, no. 350, pp. 231-234, Abril/Junho 2013.

[13]C. Bories, L. Aouba, E. Vedrenne and G. Vilarem, “Fired clay bricks using agricultural biomass wastes: Study and characterization,” Construction and Building Materials, vol. 91, pp. 158-163, 30 August 2015.

[14]S. P. Taguchi, J. C. Santos, T. M. Gomes and N. A. Cunha, “Avaliação das propriedades tecnológicas de cerâmica vermelha incorporada com resíduo de rocha ornamental proveniente do tear de fio diamantado,” Cerâmica, vol. 60, no. 354, Abril/Junho 2014.

[15]A. Zaccaron, S. L. Galatto, V. d. S. Nandi and P. Fernandes, “Incorporação de Chamote na Massa de Cerâmica Vermelha como Valorização do Resíduo,” Cerâmica Industrial, vol. 19, no. 3, Maio/Junho 2014.

[16]P. d. O. Giffoni and L. C. Lange, “A utilização de borra de fosfato como matéria-prima alternativa para a fabricação de tijolos,” Engenharia Sanitaria e Ambiental, vol. 10, no. 2, pp. 128-136, Abril/Junho 2005.

[17]A. Zaccaron, V. d. S. Nandi, D. B. da Silva and A. B. Comin, “Estudo da Utilização do Resíduo Proveniente do Beneficiamento do Carvão Mineral como Matéria-Prima Alternativa na Fabricação de Blocos de Vedação,” Cerâmica Industrial, vol. 20, no. 2, pp. 38-44, Março/Abril 2015.

[18]A. C. Teloeken, D. L. Villanova, T. M. Basegio and C. P. Bergmann, “Utilização de Lodo Galvânico como Matériaprima em Cerâmica Vermelha e Caracterização dos Corpos Cerâmicos Obtidos quanto a Propriedades Tecnológicas e a Imobilização de Metais,” Cerâmica Industrial, vol. 16, no. 2, pp. 14-19, Março/Abril 2011.

[19]M. Weizenmann, F. R. Bruxel, E. R. R. d. Santana and E. C. Oliveira, “Avaliação da incorporação de resíduo de gemas na massa cerâmica vermelha: um estudo de caso,” Cerâmica, vol. 59, no. 351, pp. 442-447, 2013.

[20]M. E. A. Carreiro, R. C. Santos, V. J. Silva, H. L. Lira, G. A. Neves, R. R. Menezes and L. N. L. Santana, “Resíduo de quartzito - matéria-prima alternativa para uso em massas de cerâmica estrutural,” Cerâmica, vol. 62, no. 362, pp. 170-178, 2016.

[21]D. V. Ribeiro, S. C. Figueiredo, A. . T. Machado, F. R. V. Diaz and C. A. C. Souza, “Evaluation of the Incorporation of Waste Generated from Titanium Dioxide Manufacturing in Red Ceramics,” Materials Research, vol. 18, no. 1, pp. 98-105, 2015.

[22]L. Wiemes, U. Pawlowsky and V. Mymrin, “Incorporation of industrial wastes as raw materials in brick’s formulation,” Journal of Cleaner Production, vol. 142, no. 1, p. 69–77, 19 January 2017.

[23]A. Mohajerani, A. A. Kadir and L. Larobina, “A practical proposal for solving the world’s cigarette butt problem: Recycling in fired clay bricks,” Waste Management, vol. 52, p. 228–244, June 2016.

[24]K. Godinho, T. Rabelo, J. de Holanda and A. da Silva, “Incorporação de resíduo de vidro em cerâmica vermelha,” Anais do 48º Congresso Brasileiro de Cerâmica, pp. 1-10, Junho/Julho 2004.

[25]SEBRAE, “Cerâmica Vermelha: Panorama do mercado no Brasil.,” Boletim Inteligente, p. 5, Dezembro 2015.

[26]D. d. S. C. Maciel and L. S. de Freitas, “Análise do processo produtivo de uma empresa do segmento de cerâmica vermelha à luz da produção mais limpa,” Revista Produção Online, vol. 13, no. 4, pp. 1355-1380, Outubro/Dezembro 2013.

[27]Brasil, “Anuário Estatístico do Setor de Transformação de Não-Metálicos,” SGM, Brasília, DF, 2016.

[28]S. Pracidelli, “Estudo dos Esmaltes Cerâmicos e Engobes,” Cerâmica Industrial, vol. 13, no. 1/2, pp. 8-20, Janeiro/Abril 2008.

[29]F. L. Carraro, “Química Industrial,” in Enciclopédia Globo para Cursos Fundamental e Médio: Química, Editora Globo, 1977, p. 359.

[30]ABNT, “NBR 15270-3. Componentes cerâmicos Parte 3: Blocos cerâmicos para alvenaria estrutural e de vedação – Métodos de ensaio,” Rio de Janeiro, 2005.

[31]M. Dondi, “Caracterização Tecnológica dos Materiais Argilosos: Métodos Experimentais e Interpretação dos Dados,” Cerâmica Industrial, vol. 11, no. 3, pp. 36-40, Maio/Junho, 2006.

[32]L. M. Dias, G. Batalione, F. U. de Morais, J. Fernandes Sobrinho, M. C. Ribeiro and M. S. de Lisboa, “Alternativa de Destinação Final de Lodo de Estação de Tratamento de Água - Fabricação de Blocos Cerâmicos,” Anais: Congreso Interamericano de Ingeniería Sanitaria y Ambiental - AIDIS. Forjando el Ambiente que Compartimos, pp. 1-23, Agosto 2004.

[33]H. G. Riella, Cerâmica: dos minerais à porcelana, São Paulo: TecArt, 2010, p. 157.

[34]E. Facincani, Tecnologia ceramica - I laterizi, vol. 2ª edizione, Faenza: Editoriale Faenza Editrice, 1992, p. 267.

[35]ABNT, “NBR 15270-1. Componentes cerâmicos Parte 1: Blocos cerâmicos para alvenaria de vedação — Terminologia e requisitos,” Rio de Janeiro, 2005.

5bcf25f50e882510051f4c09 ci Articles
Links & Downloads

Cerâm. ind.

Share this page
Page Sections