Cerâmica Industrial
http://ceramicaindustrial.org.br/article/doi/10.4322/cerind.2018.024
Cerâmica Industrial
Artigo Original

Esmaltes Transparente e Mate para Grês Porcelanato Polido

Helder J.C. Oliveira, João António Labrincha

Downloads: 4
Views: 186

Resumo

O presente trabalho detalha o estudo de novas composições de esmaltes (brilhante e mate transparentes), preparados por via úmida, para grés porcelânico polido. Esta técnica permite a redução de custos, devido à diminuição da quantidade de material a aplicar, sem comprometer as características técnicas exigidas a estes produtos e garantindo elevada variabilidade estética (cor, textura, brilho, etc) através da decoração digital InkJet, nomeadamente nos tons intensos (negro e castanho). A obtenção de uma camada menos espessa e mais homogênea, requerendo polimento menos profundo, ajusta-se à tendência da indústria de pavimento e revestimento para produzir peças polidas, cada vez mais em grandes formatos. Este novo método de aplicação de esmaltes permite obter superfícies polidas que cumprem os requisitos técnicos exigidos nas normas actualmente em vigor e, ao mesmo tempo, reduz os custos com o material a aplicar e nas etapas de acabamento, particularmente no polimento. Procedeu-se à caracterização dos esmaltes transparente e mate aplicados. As peças foram queimadas à temperatura de 1220ºC, com um ciclo de queima cuja duração, de acordo com o formato, pode oscilar entre 60/70 minutos. Foi avaliada a resistência da camada ao ataque à mancha, ao ataque químico, à abrasão e mediu-se a dureza (MOHS).

Palavras-chave

porcelânico polido, lapato, cromático, matizante, fusibilidade, maturação.

Referências

[1] Juan B.Carda Castelló, Purificación Escribano Lôpez, Eloísa Cordoncillo, Esmaltes e Pigmentos Cerámicos, Faenza Editrice Iberica S.L. – Universitat Jaume I – Castellón, 2001.

[2] Oliveira H.J.C., dados técnicos, IFH – Estudio Cerâmico Lda, 2009-2017

[3] Oliveira H.J.C, Apontamentos Esmaltes Cerâmicos, Edições Almedina, Março 2017.

[4] Sacmi Tecnologia Cerâmica Aplicada, volumen 1, Faenza Editrice Iberica, Castellon de la Plana, 2004.

[5] C. Agrafiotis, T. Tsoutos, Energy saving technologies in the European ceramic sector: a systematic review, Applied thermal engineering, 21, 1231-1249, 2001.

[6] Ed. Int. CERLabs, European Network of National Ceramic Laboratories, Ceramic Tiles the ISO International Standards for Ceramic Tiles, 1993.

[7] European committee for standardization, Ceramic tiles - Definitions, classification, characteristics and marking, The European Standard, 2006.

5c3c8bea0e8825830dcd6224 ci Articles
Links & Downloads

Cerâm. ind.

Share this page
Page Sections