Cerâmica Industrial
http://ceramicaindustrial.org.br/article/doi/10.4322/cerind.2018.019
Cerâmica Industrial
Artigo

Curvaturas em Porcelanatos Assentados: Possíveis Causas

M. B. Almeida, A. V. Lot, L. J. J. Nieves, S. Nastri, Lisandra R. Santos, F. G. Melchiades, A. O. BoschiA. P. M. Menegazzo

Downloads: 0
Views: 71

Resumo

A indústria de revestimentos cerâmicos tem se preocupado com relatos recentes sobre o desenvolvimento de curvaturas retardadas em porcelanatos assentados e o consequente destacamento desses produtos, enquanto peças não assentadas do mesmo lote se mantêm planas. Para evitar o desenvolvimento de tais curvaturas e os prejuízos decorrentes, as origens do problema devem ser conhecidas. Nesse sentido, o objetivo do trabalho foi investigar as causas do desenvolvimento de curvaturas em porcelanatos técnicos após o assentamento. Três causas hipotéticas foram investigadas. Inicialmente verificou-se a presença de heterogeneidades através da caracterização das faces inferiores e superiores de amostras do produto que apresentou empeno, de peças novas do mesmo lote deste produto e de um produto padrão. Foram constatadas diferenças nas porcentagens de fases, absorção de água e porosidade entre as faces do produto estudado que sugerem estágios mais avançados de sinterização na sua face superior. Devido às heterogeneidades encontradas, a umidade da argamassa e do ambiente em contato com a face inferior do porcelanato promove sua expansão diferencial, gerando tensões que levam ao desenvolvimento das curvaturas após o assentamento. Investigou-se, também, a contribuição do mecanismo de fluência no desenvolvimento das curvaturas através de curvas tensão versus deformação sob carga progressiva e deformação versus tempo sob carga constante. A maior porosidade e presença de microtrincas do produto com heterogeneidades pareceu ter facilitado o mecanismo de fluência nessa amostra, que apresentou deformações maiores que o produto padrão. A hipótese do desenvolvimento de curvaturas devido ao relaxamento de eventuais tensões residuais presentes na peça também foi investigada, mas não foi confirmada.

Palavras-chave

porcelanato, curvatura retardada, expansão por umidade, empeno, defeito.

Referências

1 - CANTAVELLA, et al. Análise e Medida de Fatores que Afetam as Curvaturas Retardadas em Porcelanato. Rev. Cerâmica Industrial, vol.13 jan/abr: São Paulo, 2008.

2 - CHIARI, et al. Expansão por umidade. Parte I: O Fenômeno. Rev. Cerâmica Industrial vol. 01: Março/abril, 1996.

3 - LU, J., Handbook of Measurements of Residual Stress, v. 2, Ed. SEM, 2ed., p. 417, 2005.

4 - CANTAVELLA V. S., et al. Análise e medida de fatores que afetam as curvaturas retardadas em porcelanato. Revista Cerâmica Industrial, São Paulo, v. 13, n. 1/2, p. 21-28, jan./abr. 2008.

5 - NONI Jr. A., et al. Influencia del enfriamiento de la etapa de cocción sobre las propiedades mecánicas del gres porcelánico. Bol. Soc. Esp. Ceram. Vidr., v. 46, n. 4, p. 163-170, 2007.

6 - GARCÍA-TEN, J., et al. Influence of operating variables on spray-dried granule and resulting tile characteristics. Key Eng. Mater., 264-268, p. 1499-1502, 2004.

7 - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15463: Placas cerâmicas para Revestimento - Porcelanato. Rio de Janeiro: ABNT, 2013. 11p.

5bcf67600e882506641f4c09 ci Articles
Links & Downloads

Cerâm. ind.

Share this page
Page Sections